logo
Home Enseignements A cura do coração

O coração é um órgão muscular oco situado entre os pulmões, no meio do peito. Assegura a circulação do sangue em todo o organismo, permitindo as células de receber oxigénio e nutrimentos via um engenhoso sistema de vasos que asseguram a circulação do sangue. Pode-se comparar o coração com uma bomba que aspira/que repele e a rede de vasos à “canalizações” que permitem a irrigação e a oxigenação dos tecidos e os órgãos (doctissimo.fr – cmp.u-nancy.fr). Visto sob este ângulo, o coração aparece como um elemento mecânico entre outros que contribui para o equilíbrio do corpo humano. E no entanto, as suas reacções perante as interacções entre indivíduos e perante acontecimentos alegres ou tristes dá-lhe uma espécie de consciência, uma hipersensibilidade exacerbada que lhe é proprio e dá-lhe uma especificidade que não podia ser atribuída a outros órgãos. Porque é que o coração (« labe », em hebraico) é à este ponto diferente ? Porque contem a alma, o pensamento, a memória, é a sede da vontade, das emoções, das paixões e do apetite …

« Sobre tudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida » Provérbios 4: 23.

« Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as fornicações, os homicídios, Os furtos, a avareza, as maldades, o engano, a dissolução, a inveja, a blasfêmia, a soberba, a loucura. Todos estes males procedem de dentro e contaminam o homem » Marcos 7:21-23.

Observaram que quando vai ao médico, um dos seus primeiros gestos consiste a ouvir os batimentos do vosso coração ? Com efeito, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, as doenças cardiovasculares constituem a primeira causa de mortalidade no mundo. Estas perturbações que afectam o coração e as embarcações sanguíneos maioritariamente devem-se à uma má higiene de vida mas igualmente um factor hereditário. No plano espiritual, uma constatação similar pode ser feita. O pecado é ao mesmo tempo uma herança e uma má maneira de viver (1 Pedro 1: 18) provocando profundas feridas a nível do coração que expõem o homem a um perigo mortal. Com efeito, se o pecado está alojado no coração, o sangue (isto é, a vida de acordo com Deuteronômio 12: 23), que ele transmite, vai envenenar todo o corpo até a morte. Porém como todos os homens são pecadores, temos todos a necessidade de nós voltar para o Senhor para obter a cura completa do nosso coração.

 

A FERIDA DO PECADO
O pecado é a causa do sofrimento do coração humano. Tudo começou no céu quando Satanás disse : « Eu subirei ao céu, acima das estrelas de Deus »(Isaías 14:13). Naquele momento, seu coração se elevou (Ezequiel 28: 2, 5:17), ele se tornou arrogante, cheio de orgulho. O brilho que ele teve uma vez o fez pensar que ele merecia ser Deus e receber a adoração. Expulso do céu devido à sua maldade, atacou-se ao homem fazendo de tudo para que o coração deste último seja semelhante ao seu ou seja rebelde, egoísta e mau.

O pecado é o facto de desviar-se de Deus para seguir o seu próprio caminho (Isaías 53: 6). Escolhendo fazer a sua própria vontade, o homem autoproclamou-se deus da sua vida. Porém, não pode haver uma coexistência de vários « pequenos deuses », sem que haja conflito de interesse. É assim que os homens que procuram unicamente a sua vantagem, preocupados pela única satisfação de seus desejos, trabalhando com obstinação para sua própria gloria, terminaram por dividir-se, odiar-se e destruir-se mutuamente. Alternadamente, tornaram-se ao mesmo tempo vítimas e carrascos um dos outros. A guerra que aconteceu no céu depois da rebelião de satanás está continuando agora na terra (Apocalipse 12: 7). O uso de armas para verter o sangue é apenas a expressão final desta violência porque a passagem para o conflito armado continua a ser relativamente raro quando compara-o-se com as múltiplas hostilidades que podem ocorrer no dia a dia de uma família. Assim como Caim que matou seu irmão Abel, a célula familiar é frequentemente assolada por rivalidades que degeneram muitas vezes em animosidades extremos. Assim, são frequentemente às pessoas mais próximas que se infligem as piores feridas.

« Porque o filho despreza ao pai, a filha se levanta contra sua mãe, a nora contra sua sogra, os inimigos do homem são os da sua própria casa » Miquéias 7:6.

Os silêncios indiferentes, as palavras que desacreditam e preenchidas de veneno, os olhares de gozo e de desprezo muitas vezes dói mais do que pancadas. A rejeição, o abandono, a traição, a humilhação, as disputas, os insultos, os divórcios e as separações mas também os problemas de alcoolismo e de toxicomania da mesma maneira que a perseguição moral e os abusos sexuais são comuns na célula familiar. Todas essas coisas geram violências físicas e psicológicas que estão como ataques ácidos a nível do coração, úlceras profundas que ravivem e se agravam ao mais mínimo arranhão. Não se deixe enganar pelas aparências, não há família sem drama nem de coração que são poupados do sofrimento. Muitos são aqueles que têm sido repetidamente cheios de tristeza e amargura. Quem já disse : « teria gostado de nunca existir » ?

Então, para proteger-se, cada um constrói sua própria carapaça, fecha-se de trás a máscara das aparências para que o coração não seja mais posto a nu e exposto outra vez à mordedela da maldade. Alguns adoptarão uma estratégia ofensiva, como animais selvagens mostrarão as presas, sairão as garras logo que vão se sentir ameaçados. Otros se dobrarão sobre eles mesmos, camuflar-se-ão para derreter-se na massa, eles vão se sentir seguros, tornando-se invisíveis. Outros ainda vão ter uma necessidade vital de tomar a sua vingança sobre a vida, de valorizar-se e fá-lo-ão em detrimento dos seus semelhantes… Mas o homem pode procurar soluções para aliviar-se, o seu coração será curado apenas se voltar à Deus.

O CAMINHO DA CURA
« Por que seríeis ainda castigados, se mais vos rebelaríeis ? Toda a cabeça está enferma e todo o coração fraco. Desde a planta do pé até a cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, e inchaços, e chagas podres não espremidas, nem ligadas, nem amolecidas com óleo » Isaías 1:5,6.

« O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor » Lucas 4:18,19.

Considerando o homem cuidadosamente, Deus percebeu que o pecado tinha estragado tudo nele. Assim, ele enviou o seu Filho, não para punir mas para tratar ; a cura do coração fazia por conseguinte parte integrante da sua missão, do seu ministério.

« E Jesus, respondendo, disse-lhes: Não necessitam de médico os que estão sãos, mas, sim, os que estão enfermos; Eu não vim chamar os justos, mas, sim, os pecadores, ao arrependimento » Lucas 5:31,32.

O primeiro passo para a cura do coração é o arrependimento, isso é indispensável ! Com efeito, se o coração está ferido, é porque nós deixamos o pecado entrar. Não nos dizemos « magoarão-me e eu não fiz nada ! ». Embora isso possa ser verdade para as crianças vítimas de vários abusos, não se esqueça que o mundo está sofrendo as conseqüências do pecado de Adão e Eva, que cada homem carrega o peso das suas próprias faltas mas também as dos seus pais (Números 14: 18). Também não esquecemos que cada um de nós foi vítima mas também carrasco de alguém. Com efeito, o homem pecador procura fazer justiça própria, ele aplica a lei do talião e torna o mal para o mal quando Deus nos pede para vencer o mal com o bem (Romanos 12: 21). O arrependimento implica uma introspecção profunda e sincera na presença de Deus, que, sem condenar-nos, apontará o dedo sobre nossos pecados do passado e suas conseqüências sobre nossas vidas e aqueles que nos rodeiam. Esta constatação nos leva a odiar o pecado e abandoná-lo definitivamente, mas também levar um olhar indulgente com aqueles que nos feriram. Vamos nós dar conta que nós não somos melhores do que essas pessoas, todos havemos pecado e causados danos a alguém, de uma forma ou de outra. Tendo chegado a esta fase, vamos ser capaz de libertar o perdão, o outro passo essencial para alcançar a cura do coração.

« Porque se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará os vossos ; se porém não perdoardes aos homens suas ofensas, tampouco vosso Pai perdoará vossas ofensas » Mateus 6: 14-15.

« Não useras de vingança, e não a guardarás aos filhos do teu povo ; mas amarás o teu próximo como a ti mesmo. Eu sou YAHWEH » Levítico 19: 18.

A palavra de Deus é clara : se nós recusamos de perdoar aos que ofenderam-nos, Deus também se recusará a perdoar nossos pecados.  É evidente que a nossa situação seria catastrófica se seriamos o sujeito da ira de Deus (Hebreus 10: 31). O perdão é um poder que liberta, por outro lado, o rancor ativa o braseiro de sofrimento que está nos nossos corações. O rancor faz-nos remoer o passado, é como se raspavamos constantemente a crosta de uma cicatriz. Neste caso a nossa situação iria piorar porque em vez da cura haveria uma superinfecção da ferida. O perdão é um acto de amor e é à aquilo que somos chamados (Provérbios 17: 9). Não esperamos que os outros façam o primeiro passo para perdoar, para procurar a reconciliação, para manifestar o amor. Façamos como o Senhor, nosso modelo por excelência que, embora perfeitamente inocente, humilhou-se  o primeiro até a morte de cruz para estar mais perto de nós.

« Nós amamos porque ele nos amou primeiro » 1 João 4: 19.

Deus quer que nos tornemos novas criaturas (2 Coríntios 5: 17), ele deseja que andemos para frente e que viramos a página sobre o passado. Contudo, muitas pessoas avançam na vida cristã voltando-se regularmente para olhar a trás. Esta atitude deve ser absolutamente proscrita para não sofrer o mesmo destino que a mulher de Ló.

« Mas a mulher de Ló olhou para trás e tornou-se uma estátua de sal » Genesis 19: 26.

Como esses artistas atormentados cujo o gênio criativo é inspirado pelas trevas de sua alma, existe pessoas que se agarram com uma espécie de complacência ao seu sofrimento pois é em torno dela que toda a sua personalidade e sua gloria foi construída. Por mais surpreendente que possa parecer, há pessoas que têm medo de serem curadas (João 12: 40). Estas pessoas que sofrem realmente de rejeição são semelhantes à crianças que choram exactamente para chamar a atenção dos adultos. Recusam de maneira mais ou menos consciente de ser curadas porque têm o sentimento que uma vez restauradas aqueles que estão ao seu redor vão perder o interesse nelas… Mas Deus nos chama para amadurecer, para ir além da infantilidade, de adoptar uma atitude de adultos dispostos a crucificar o velho homem para se tornar verdadeiramente uma nova criatura à imagem perfeita de seu Filho Jesus Cristo (Efésios 4: 13).

Seja como for, a nossa cura será inteiramente tributária da nossa atitude no que diz respeito a Deus. Quando nos aproximamos do Senhor, devemos comparecer perante ele em toda transparência. Devemos depor as máscaras, mandar embora os falsos semblantes e aceitar de desembaraçar-se de uma vez por todas de sua carapaça tão habilmente fabricada durante os anos. Mas uma vez mais, não é um exercício fácil para todos. Muitos estão tão acostumados a usar sua máscara que têm dificuldades em revelar-se diante de Deus e persistem em uma atitude hipócrita que não favorecem-os. Por medo de ser feridos,  tornaram-se desconfiados, inacessíveis e têm dificuldades em confiar até mesmo com o Senhor que, no entanto, quer ajudar. A porta está então largamente aberta à dúvida e a incredulidade que, como a hipocrisia, são pecados para erradicar da nossa existência.

« Não há temor na caridade, mas a perfeita caridade lança fora o medo, porque o medo supõe uma punição ; ora aquele que tem medo não é perfeito na caridade » 1 João 4: 18.

« Cheguemo-nos, pois, confiadamente ao trono da graça, para que recebamos misericórdia e achemos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno » Hebreus 4: 16.

O Pai nos amou tanto que ele sacrificou Jesus Cristo para nos salvar. No entanto, há muitos cristãos que duvidam deste amor, porque foram tantas vezes rejeitadas, desprezadas, abandonadas dos homens, o abismo afectivo do seu coração ficou tão imenso que têm o sentimento que nada poderá os preencher. Essas pessoas estão resignadas e não conseguem abrir-se totalmente ao Senhor. Porém não é um azar se o coração é oco, este vazio foi criado expressamente para ser preenchido da plenitude do nosso Deus e Pai. Enquanto faziamos a nossa vontade, o nosso coração era preenchido pelo pecado, ou seja obras do diabo que vem apenas para roubar, matar e destruir (João 10: 10).

Mas agora o Senhor diz-nos : « Eu te amo de um amor eterno  é por isso que prolonguei a minha bondade para com você » (Jeremias 31: 3). « Mesmo, curarei as tuas feridas, e curarei os teus ferimentos, diz Yahweh. Porque chamam-te a rejeitada, esta Sião que ninguém procura » (Jeremias 30: 17).

O amor do Pai, tal é o remédio por excelência do qual temos necessidade, é por isso que devemos aspirar com todas as nossas forças e o procurar com assiduidade.

« Por esta razão, dobro os meus joelhos perante o Pai do nosso Senhor Jesus Cristo,  do qual toda família nos céus e na terra toma o nome, para que, segundo as riquezas da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder pelo seu Espírito no homem interior, de modo que Cristo habite pela fé nos vossos corações ; a fim de que, estando arraigados e fundados na caridade, possais compreender, com todos os santos, qual seja a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade, e conhecer a caridade de Cristo, que excede todo o entendimento, para que sejais cheios de toda plenitude de Deus » Efésios 3: 14-19.

Satanás enganou o homem fazendo-lhe crer que outra coisa que o amor de Deus podia torná-lo feliz. O que por conseguinte ganhou o ser humano querendo tornar-se o seu próprio Deus ?
– Somente choros e rangidos de dentes.

A riqueza, a gloria, o conhecimento, a notoriedade, o sucesso profissional e toda cobiça do mundo não fazem a felicidade. Deus nos criou para que o adoremos e para nos amar em volta, as coisas são tão simples que aquilo. O nosso coração tem necessidade de ser alimentado de amor, é tudo ! Além disso, não se desenha um coração para simbolizar o amor ?
O amor é a plenitude, é o fim de todas as coisas. O amor é Deus, o amor é eterno (1 João 4: 16).

« A caridade não faz mal ao próximo ; a caridade é o cumprimento da lei » Romanos 13: 10.

« Agora, essas três coisas permanecem : A fé, a esperança e a caridade ; mas a mais excelente destas três virtudes é a caridade » 1 Coríntios 13: 13.

Voltemos por isso junto do nosso amado Pai com todo o nosso coração e deixámos-lo submergir-nos com o seu infinito amor. Amém !

Fonte: Os dokimos No. 14.
Articles similaires

Vous avez aimé cet article ? Alors partagez-le avec vos amis en cliquant sur les boutons ci-dessous :

Twitter Facebook Google Plus Linkedin email

Laisser une réponse